Número duplo da revista Interact (http://interact.com.pt) sobre pensamento, processos e práticas performativas

Organização: Sílvia Pinto Coelho e Cláudia Madeira

The Mind is a Muscle é o título de uma peça (1966) e de uma soirée performativa (1968) propostas por Yvonne Rainer em Nova Iorque. No programa da soirée, Rainer faz uma declaração de princípios onde revela o seu mal-estar em relação a uma sociedade que é cada vez mais «do espetáculo» e dos media. Com a tomada de consciência de que pode simplesmente desligar a televisão logo após assistir ao assassinato de um vietnamita, no mesmo contexto televisivo em que muda o canal para não ver um mau western, a coreógrafa reage com horror e incredulidade, pensando na «mente», ou no espírito, enquanto «músculo atrofiado» que pode ser estimulado.

A pretexto da frase «The Mind is a Muscle», propomos interrogar-nos sobre os modos como as práticas performativas produzem pensamento. Como se inscreve esse pensamento concreto no trabalho, nos corpos, nas rotinas, na investigação, nas histórias, no arquivo? As máquinas de pensamento artístico, coreográfico, musical e performativo têm de facto relevância política? Como?

Este número duplo (#28-29) da revista Interact pretende recuperar uma série de discussões e de transformações que ocorreram no campo das práticas performativas, desde os finais do século XX, e às quais se associaram termos como pós-modernismo ou pós-dramático, dando conta de um estado da arte possível e atual neste campo. Neste número procuramos problematizar processos e modos de produção de pensamento que surgem a partir de práticas artísticas performativas.

Apelamos à contribuição de investigadores, artistas e ensaístas com textos de áreas que cruzam as práticas performativas no seu lado mais processual, crítico, e inscrito, seja em textos de autor, notas de campo, ou vídeos experimentais, seja em textos de caráter mais académico. As propostas podem assumir formato de texto, registos fotográficos, ou vídeos (até ao limite de 15 minutos), respeitando a organização em secções descrita abaixo e sem esquecer que, por ser uma revista nativamente online, as peças devem ser mais curtas, mais ensaísticas, se não mesmo mais experimentais, e há todo o interesse em que seja dado bom uso às capacidades da própria World Wide Web, sendo de incentivar a existência de links, de imagens, de som, de interatividade. Se necessário, e para uma adequada adaptação à atual plataforma de publicação, poderá haver um diálogo entre autor e redação sempre que a proposta o exija.

A submissão da proposta deve incluir: título, resumo com 200 a 500 palavras e indicação da secção em que se enquadra, devendo ser feita até 28 de Fevereiro de 2018 para o e-mail das coordenadoras do número, e, se aceite para publicação, a respetiva peça, em formato editável, deverá ser entregue na sua versão definitiva até ao final de Março.

Cabe à redação a palavra final relativamente à publicação ou rejeição das peças em causa, quer motivada pela qualidade quer pela eventual não adequação ao tema.

As melhores saudações,

Sílvia Pinto Coelho, Cláudia Madeira e Jorge Martins Rosa

silvia.tengner@gmail.com e madeira.claudia@gmail.com

SECÇÕES

ENSAIO: O ensaio é uma secção-chave do projeto da Interact, que visa contribuir para um fortalecimento da presença do pensamento (em particular do pensamento português) nas redes de informação. Os textos para esta secção devem ter entre 8 a 12 páginas (15000 a 25000 caracteres), com uma utilização reduzida ou moderada de notas finais.

INTERFACES: É objetivo desta secção afrontar duas lacunas importantes da atividade contemporânea da crítica no espaço da cultura portuguesa: a presença muito insuficiente da crítica cultural especializada na Internet, aí se incluindo o comentário e a recensão, e a falta de atenção da crítica a temas e objetos provenientes da cibercultura. Têm também aqui lugar artigos de caráter mais curto e mais experimental. Os textos para esta secção devem ter entre 4 a 8 páginas (7500 a 15000 caracteres), privilegiando-se o uso de elementos multimedia e ligações, e desaconselhando-se o recurso a notas finais.

LABORATÓRIO: Esta secção, concebida como mostra de trabalhos artísticos, é inteiramente livre no que respeita aos meios de expressão a utilizar (escrita, grafismo, vídeo, imagem digital, som, …), aos temas e aos géneros, incentivando-se a experimentação das características próprias das tecnologias digitais. As propostas aqui apresentadas são da inteira responsabilidade dos respetivos autores, embora a sua realização e implementação online possa resultar do trabalho conjunto com a equipa da Interact.